Select Page

Termo proveniente do grego ágon, que significa luta, competição, disputa, conflito, discussão, combate, jogo, e que tem as suas raízes na Antiga Grécia onde, anualmente, eram realizadas competições (agones – pl.) desportivas e artísticas.

Segundo R. Caillois em A Teoria do Jogo (1958), o ágon integra o conjunto dos quatro príncipios que orientam a actividade lúdica, juntamente com o illynx (procura da vertigem, do desafio), o alea (papel do acaso/destino) e a minesis (gosto pela imitação).

Regra geral, o ágon constitui a parte mais extensa da antiga comédia grega, o “coração” da peça, sucedendo ao prólogo, onde era apresentada a ideia base ou dilema, ao párodo, que correspondia à entrada do coro, e precedendo a parábase, momento em que o coro se dirige ao público falando em nome do autor, e os episódios finais, em que a ideia base é posta em prática, alternados com cantos corais, finalizando a peça com uma celebração ou união feliz. Assim, o ágon consiste no debate, disputa ou relação conflituosa entre a personagem e o coro ou entre duas personagens, cada uma apoiada por uma parte do coro, onde o actor que representa as ideias do poeta triunfa, regra geral, sobre o seu adversário, ultrapassando todos os obstáculos e dificuldades que se lhe deparem. As comédias de Aristófanes, o autor mais carismático da antiga comédia grega, servem-se de exemplo: em As Nuvens (423 a.C.), o ágon (conflito) desenvolve-se entre o Raciocínio Justo e o Raciocínio Injusto sobre metodologias pedagógicas, de onde sai vencedor este último, que, por isso, será o mestre de Fidípedes; em Lisístrata (411 a.C.) o ágon verifica-se entre Lisístrata e o Magistrado quando as mulheres decidem recusar o acto sexual enquanto os homens não puserem fim à guerra.

O termo tem também sido aplicado à tragédia grega e passado a designar, além do conflito entre duas personagens, o conflito interior, de consciência, de que servirão de exemplo D. Madalena de Vilhena e Telmo Pais, personagens de Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett.

Ágon surge como radical de alguns termos como protagonista, antagonista, agonístico, agonia, entre outros; em Othello, de Shakespeare, o Mouro é o protagonista e Iago o antagonista no conflito que se verifica entre ambos.

{bibliografia}

Carrie L. Asman, “Theatre and Agon/Agon and Theatre: Walter Benjamin and Florens Christian Rang”, in MLN, nº,. 107/3, abril, 1992; From Agon to Allegory, Walter Benjamin and the Drama of Language, 1988; Harold Bloom, Agon: Towards a Theory of Revisionism, 1982; J. Duchemin, L’ágon dans la Tragedie Grecque, 1945; J. Ellsworth, “Agon: Studies in the Use of the Word” (Tese de Doutoramento, Universidade da Califórnia-Berkeley, 1972); Roland Barthes, passim L’Obvie et l’Obtus, 1982; Thomas F. Scalon, “The Vocabulary of Competition, Agon and Aethos, Greek Terms For Contest”, Arete, nº. 1/1, 1983.