Select Page

[aubade, em prov.;
Tagelied
, em al.] Cantiga que tem por tema o amanhecer e a
consequente separação dos amantes, que amaldiçoam a brevidade da noite.
Pode ser encontrada em quase todas as literaturas. Na lírica
galego-portuguesa, encontram-se exemplos nas cantigas de amigo,
aparecendo a composição de Nuno Fernandez Torneol, Levad’amigo que
dormides as manhanas frias
, como a obra-prima do género entre nós.
(De notar que estudiosos como Giuseppe Tavani concluíram que esta
cantiga não tem todas as marcas que caracterizam a alba provençal, como
o grito do vigia a alertar os amantes ou as imprecações contra o
amanhecer.) Na Alemanha e em Inglaterra, podemos registar albas já em
Wolfram von Eschenbach e Chaucer, respectivamente. John Donne escreveu "The
Sunne Rising" e Shakespeare introduz uma alba em Romeu e Julieta
(Acto III, cena v). Muitos poetas contemporâneos retomam o género em
versões modernas, como Aubade (1940) de William Empson. Nos

Inéditos publicados no segundo volume de O Sol nas Noites e o
Luar nos Dias
(1993), Natália Correia incluiu uma "Alba", que começa
assim: "No laranjal laranjedo / A lua florida estava. / Sonhando estava
o guerreiro / Que em meus braços repousava. / Comigo sonha o guerreiro,
/ Não venha acordá-lo a alva."

{bibliografia}

Alfred Jeanroy: Les Origines de la poésie lyrique en France au Moyen Âge (1969, 1ªed.: 1889); Eugenio Asensio: Poetica y realidad en el Cancionero Peninsular de la Edad Media (1957); Giuseppe Tavani: Ensaios Portugueses (1988); M. Frappier: La Poésie lyrique en France aux XIIe et XIIIe Siècles: Les Genres (1949); Rodrigues Lapa: Das Origens da Poesia Lírica em Portugal na Idade Média (1930).