Select Page

Personagem cómica próxima do fanfarrão, do louco, do parvo e do truão, e que se destaca pela indecência e pelo comportamento desregrado. Este comportamento pode ser o exacto reflexo da natureza truanesca do bufão ou pode ser pura dissimulação. Partilha com as personagens mais universais do bobo e do louco as deformações físicas que resultam no cómico de carácter. Também pode partilhar com o palhaço e o truão a maquilhagem para se apresentar em palco e representar o papel de fanfarrão e bravateador. No teatro de Shakespeare, encontramos alguns bufões que ficaram célebres: Touchstone (As You Like It), Feste (Twelfth Night) e o louco de King Lear.

{bibliografia}

Bernard Ivaldi: “The Role of the Buffoons in Alfred de Musset’s
Dramatic Works
”, American Society Legion of Honor Magazine,
46 (1975); Francisco Marquez Villanueva: “Literatura bufonesca o del
‘loco’”, Nueva Revista de Filologia Hispanica, 34, 2 (Cidade do
México, 1986-86); Javier Huerta Calvo: “Stultifera et Festiva Navis:
De bufones, locos y bobos en el entremes del Siglo de Oro”, Nueva
Revista de Filologia Hispanica
, 34, 2 (Cidade do México, 1986-86);
T. McAlindon: “The Emergence of a Comic Type in Middle English Narrative:
The Devil and Giant as Buffoon”, Anglia: Zeitschrift fur Englische
Philologie
, 81 (1963); Victor Bourgy: Le Bouffon sur la scene
anglaise au 16e siècle
(1975).