Select Page

Composição poética ou musical, de origem greco-latina, formada por uma “manta de retalhos” (do latim cento) de sentenças, expressões alheias, versos ou melodias de vários autores (pot-pourri), ou de um só autor. É condição fundamental que o centão reconstitua os elementos dispersos de que parte até obter uma nova composição, com um novo sentido. Pode-se aproximar este conceito da ideia de bricolage. Os poemas homéricos e virgilianos deram origem a muitos centões, sobretudo a partir da era cristã. Na Renascença italiana, Dante e Petrarca também inspiraram centões. O poemaAntologia”, de Manuel Bandeira, é um centão feito de versos seus.

{bibliografia}

F. Ermini: Il Centone di Proba e la poesia centonaria latina (1909); O. Delepierre e Van de Weyer: Revue analytique des ouvrages écrits en centons depuis les temps anciens jusqu’au XIX siècle (Genève, 1968; 1ª ed., Londres, 1868); R. Herzog: Die Bibelepik der lateinischen Spätantike, Tomo I (1975).