Select Page

Termo inglês utilizado por coleccionadores para designar um pequeno livro ou panfleto contendo contos populares, baladas, poemas, etc., comercializado por vendedores ambulantes, os chamados chapmen. Normalmente não ultrapassava as vinte e quatro páginas e continha com frequência xilogravuras rudemente impressas. Embora bastante divulgados nos sécs. XVI – XVII, é no séc. XVIII que os chapbooks conhecem o seu apogeu. Reproduzindo acontecimentos bizarros, vidas de criminosos, contos tradicionais, antigos romances e nursery rhymes, entre outros, eram uma alternativa aos panfletos didácticos e moralistas da altura. Mas não só na diversidade da temática residiu o seu sucesso. Também o seu preço irrisório contribuiu para que se tornassem na principal fonte de leitura recreativa de adultos e crianças de todas as classes sociais.

A sua importância é indiscutível, uma vez que asseguraram a transmissão de geração em geração de toda uma literatura popular de tradição oral que de outro modo se teria perdido. Para além disso, os chapbooks assinalaram o início da literatura infantil. Os pequenos livros adequavam-se às pequenas mãos e interesses das crianças e as suas ilustrações apelavam à imaginação infantil.

http://www.monroecc.edu/wusers/hwheeler/215chap.htm

http://rmc.library.cornell.edu/Paper-exhibit/chap.html