Select Page

Expressão que concorre com a chamada Casa de Molière (la Maison de Molière) para designar formalmente o Teatro Francês (le Théâtre-Français), tanto para a comédia como para a tragédia. Originalmente, a Comédie-Française foi a Sociedade dos Comediantes Franceses, designação que serviu para a distinguir da Sociedade dos Comediantes Italianos e da Comédia Italiana. Foi fundada por Luís XIV, em 1680. A história da Comédie-Française está ligada aos espaços que ocupou e pode resumir-se assim: 1 – sala do Hôtel de Guénégaud (1673-1689); 2 – sala do Hôtel des Comédiens du roi, rue des Fossés-Saint-Germain (1689-1770); 3 – sala das Máquinas do palácio de Tuileries (1770-1782); 4 – le Théâtre-Français au faubourg Saint-Germain (1782-1793); sala Richelieu (a sociedade fora reconstituída em 1799 e esta sala, que está activa até hoje, foi construída em 1786-1790).

Após a morte de Molière em 1673, a sua companhia de actores fundiu-se com a companhia do Teatro de Marais, originando a companhia do Teatro Guénégaud. Em 1680, este grupo fundiu-se com o do Hotel de Bourgogne, tomando o nome de Comédie-Française, e passou a ser a única companhia profissional parisiense. Racine e Corneille são os dois principais comediógrafos da companhia fundada sob a inspiração de Molière. Depois de ter sido desmobilizada durante a Revolução Francesa, em 1812 foi reconstituída sob a égide de Napoleão. Instala-se então no Palais-Royal, sala que será destruída por um incêndio em 1900 e depois reconstruída de 1974 a 1976. Hoje, o Teatro Francês ainda permanece ligado às suas raízes. Após a nomeação de Pierre Dux como director e administrador da Comédie-Française, em 1970, novas obras e autores passaram a ser representados. De 1971 a 1983, a Comédie-Française dá espectáculos no Odéon. Hoje é ainda o único teatro do mundo que continua a ser gerido como uma sociedade ao mesmo tempo artística, comercial e estatal (o Estado participa com 80% do orçamento). Os seus membros provisórios são conhecidos por pensionnaires; os membros efectivos tornam-se sociétaires.

{bibliografia}

A.
Joannides  e Jules  Claretie: La Comédie-Française de 1680 a
1900. Dictionnaire general des pieces et des auteurs 

(1970); André Blanc: “L’ Action a la Comédie-Française au XVIIIe
siècle”,  Dix-Septième Siècle, 33, 132 (Paris,  1981); A.
Surgers: La Comédie-Française, un théâtre au-dessus de tout
soupçon
(1982);  B. Dussane: La Comédie-Française
(1960); Béatrice Froger e Sylvaine Hans: “La Comédie-Française
au XIXe siècle: Un Repertoire littéraire et politique”, 

Révue d’Histoire du Théâtre, 36, 3 (1984); Henri Lagrave:
“Molière a la Comédie-Française (1680-1793)”, Revue
d’Histoire Litteraire de la France
,  72 (1972); idem: “La
Comédie-Française au XVIIIe siècle ou les contradictions d’un
privilége”,  Révue d’Histoire du Théâtre,  33 (1980) ;
Jan Clarke: “Another Look at the Comédie-Française as the
‘Maison de Moliere’ “,  Nottingham French Studies, 33, 1
(1994); Jean de Beer: “Diderot et la Comédie-Française”, 

Europe: Révue Littéraire Mensuelle,  405-406 (1963); Jeanne
Gaillard: “La Comédie-Française pendant la guerre de 70”,
 Revue d’Histoire du Théâtre
, 33 (1980); Jota Dangelo: “A
Comédie-Française
”,  Minas Gerais, Suplemento
Literário, 21, 1034 (1986); Lenard R. Berlantstein: “Women and
Power in Eighteenth-Century France: Actresses at the
Comédie-Française”,  Feminist Studies,  20, 3 (1994); P.
Dux e S. Chevalley: La Comédie-Française (1980).