Select Page

Conceito cultivado pelos poetas decadentistas, que vulgarmente seria traduzido por “tédio” ou “aborrecimento”. Mas o sentimento de ennui identifica-se mais com cedência à futilidade da vida, o que podemos aprender com o romance Ennui (1809), de Maria Edgeworth. Foi, contudo, Baudelaire quem transformou este sentimento numa espécie de modus vivendi na poesia e na vida. PRIVATE O ennui relaciona-se intimamente com o conceito poético de spleen, que Baudelaire explorou em As Flores do Mal (1857) e O Spleen de Paris – Pequenos Poemas em Prosa (1868). A força totalizadora do ennui está sintetizada nos versos do poema “Spleen” (lxxvi, in As Flores do Mal): ´”L’ ennui, fruit de la morne incuriosité, / Prend les proportions de l’immortalité”. É a condição universal deste sentimento que levou Patricia Meyer Spacks a considerar uma diferença essencial entre ennui e tédio: “Boredom was not (is not) the same as ennui, more closely related to acedia. Ennui implies a judgment of the universe; boredom, a response to the immediate. Ennui belongs to those with a sense of sublime potential, those who feel themselves superior to their environment.” (1996, p.12). A distinção torna-se difícil de aplicar a todos aqueles textos que são marcadamente decadentistas. Todos os termos capazes de se incorporarem na retórica da decadência ou do espírito decadente estão na mesma família do ennui: tédio, nolição, inércia, niilismo, mal-estar-perante-a-morte, náusea, fastio. Se todos estes sentimentos podem ser um sinal de mal-estar perante a vida ou perante a morte e se não existe um medidor eficaz das emoções, é arriscado decidir quem é que se sente maior do que a própria vida ou do que a própria morte para apenas dizer que aquilo que deveras se sente é ennui e não tédio. Ambos os sentimentos convergem na sensação de desistência perante o progresso e a positividade do mundo, que apenas podem gerar uma impressão de abandono metafísico, cujo prolongamento é tão necessário ao poeta sentiente como à própria poesia.

{bibliografia}

Frantz Antoine Leconte: La Tradition de l’ennui splenétique
en France de Christine de Pisan a Baudelaire
(1995); Guy
Sagnes: “Spleen, ennui, mélancolie…”, Magazine
Littéraire
, 273 (1990); Michael Gillum: “Ennui and
Alienation in Eliot’s Poetry", Midwest Quarterly: A Journal
of Contemporary Thought
, 25, 4 (1984); Patricia Meyer Spacks:
Boredom: The Literary History of a State of Mind (1996);
Simone Lavabre: “Ennui, Spleen, Melancolie: Rapports et
definitions”, Caliban, 6 (1969); Reinhard Kuhn: The
Demon of Noontide: Ennui in Western Literature
(1976).