Select Page

Repitação em separado de palavra ou expressão que se escreveu ou pronunciou antes. Recurso muito utilizado, por exemplo, nos Evangelhos, permite destacar um signo importante, como na seguinte profecia: “Por isso vivo eu, diz o Senhor Jehovah, que te preparei para sangue, e o sangue te perseguirá; visto que não aborreceste o sangue, o sangue te perseguirá.” (Ezequiel, 35:6). Na poesia, é também recurso frequente, sobretudo quando se pretende salientar a significação ampla de uma palavra ou expressão cujas possibilidades semânticas são exploradas em vários contextos. Veja-se este excerto de um longo poema de Álvaro de Campos, construído a partir do epânodo de vários termos, sobressaindo a imagem simbólica do navio: “Ah, navio que partes, que tens por fim de partir, / Navio com velas, navio com máquina, navio com remos, / Navio com qualquer coisa com que nos afastemos, / Navio de qualquer modo deixando atrás esta costa, / Esta, a sempre esta costa, esta sempre esta gente, / Só válida à emoção através da saudade futura, / Da saudade, esquecimento que se lembra, / Da saudade, engano que se deslembra da realidade, / Da saudade, remota sensação do incerto / …” (Livro de Versos, nº59, Círculo de Leitores, Lisboa, 1993). Também se aplica o termo quando se retoma um discurso ou um determinado tema, após uma digressão.