Select Page

Termo do grego epodos (“depois do canto”) com que se designa 1) a terceira das estrofes da chamada ode pindárica, como podemos testemunhar em Píndaro e Baquílides — neste caso, a palavra é feminina (epodos strophé); 2) poemas líricos em que se alternam versos grandes com versos pequenos — neste caso, a palavra é masculina (epodos stichos). No primeiro caso, o epodo apresenta uma combinação diferente de versos em relação às estrofes iniciais, que possuem número, metro e ritmo distintos. A uma estrutura métrica formada por uma estrofe, uma antístrofe e um epodo dá-se o nome de tríade epódica. Veja-se o seguinte exemplo de Baquílides, excerto de “O mito de Creso” (in Hélade: Antologia da Cultura Grega, de Maria Helena da Rocha Pereira, 5ª ed., Coimbra, 1990) :

Rumorejam os templos de festins com hecatombes, [ESTROFE ]

rumorejam as ruas, a trasbordar de hospitalidade.

Refulge, em seus reflexos, o ouro das trípodes lavradas, que puseram

à entrada do templo. É aí que Delfos administra, [ANTÍSTROFE]

junto da linfa corrente de Castália,

de Apolo o maior santuário. Ao deus, ao deus

se dê glória. Será o maior em ventura.

Pois outrora, a Creso, senhor da Lídia, [EPODO]

domadora de cavalos,

quando, para cumprir os desígnios

fixados por Zeus

o exército persa arrasou Sardes,

— a esse salvou Apolo

No caso do epodos stichos, podemos encontrar os primeiros exemplos na poesia satírica de Arquíloco, que combinava metros longos com metros curtos. Horácio terá sido o introdutor deste tipo de epodo na literatura latina. Diogo de Teive (1514?-1565?) compôs em latim um conjunto de Epodos, que seguem os modelos de Arquíloco e Horácio. Os poetas portugueses do século XVIII, como Correia Garção ou A. Dinis da Cruz e Silva, ainda escrevem epodos.

{bibliografia}

B. Snell: Griechische Metrik (1982); D. Korzenewski: Griechische Metrik (1968).