Select Page

Repetição de uma mesma palavra ou expressão no final de frases ou versos sucessivos. Os retóricos antigos consideravam a epífora uma figura de efeito semelhante à anáfora (de notar que apenas difere desta pela posição dos termos repetidos). O seguinte soneto de David Mourão-Ferreira, "A boca As bocas", ilustra bem a técnica da epífora, com todos os versos da composição a terminarem com a palavra "boca", símbolo principal do poema: "Apenas uma boca A tua boca / Apenas outra A outra tua boca / É Primavera / E ri a tua boca / de ser Agosto já na outra boca // Entre uma e outra voga a minha boca / E pouco a pouco a polpa de uma boca / inda há pouco na popa em minha boca / é já na proa a polpa de outra boca // Sabe a laranja a casca de uma boca / Sabe a morango a noz da outra boca / Mas que sabe entretanto a minha boca // Que apenas vai sentindo em sua boca / mais rouca do que boca a minha boca / mais louca do que boca a tua boca" (in Matura Idade, 1966-1972). Esta figura também é chamada epístrofe.

{bibliografia}

Paul Gordon: "The Enigma of Aristotelian Metaphor: A Deconstructive Analysis", Metaphor and Symbolic Activity, 5, 2 (1990)