Select Page

Literatura medieval escrita por clérigos ou estudantes boémios, que optavam por uma vida desregrada, licenciosa e recheada de folguedos. Tais foliões encontravam-se em Inglaterra, França e Alemanha, onde se produziu este tipo de literatura marginal. O nome por que ficaram conhecidos deve-se à devoção ao bispo Golias, de quem se diziam seguidores. Ficaram célebres goliardos como Huoh Primas of Orleans, Pierre de Blois, Gautier de Châtillon e Phillipe the Chancellor. O tema preferido das suas composições é o amor, em especial o amor que não respeita convenções sociais nem qualquer moral estabelecida, e toda a espécie de prazeres sensuais. Os seus pares não os reconheciam como verdadeiros poetas e, como parece óbvio, gozavam de pouca fama entre os trovadores da corte e os clérigos ortodoxos. Quase todas as suas composições são hinos à livre expressão sexual ou à tirania ideológica, religiosa e moral da Igreja, sem esquecer o poder papal. Gradualmente, os privilégios clericais dos goliardos foram-lhes sendo retirados, até se perder inclusive a própria designação de goliardos, o que vem a acontecer no século XIV, confundindo-se, então, o termo com designações próximas como jogral, menestrel ou segrel. A mais célebre compilação dos cânticos goliardos é os Carmina Burana, textos escritos no século XIII, na Bavária, traduzidos por John Addington Symonds com o título Wine, Women, and Song (1884).

{bibliografia}

Ricardo Arias Y Arias: La poesía de los goliardos (1970); Ricardo Garcia-Villoslada: La poesia ritmica de los goliardos medievales (1975)