Select Page

Um dos aspectos mais importantes da desconstrução que corresponde ao pensamento que não se apoia em qualquer critério exterior para formar juízos. No pensamento de Jacques Derrida, a indecidibilidade é a tradução do tipo de resistência que ainda se verifica nas questões da representação e do tipo de impasse a que se chega quando se pretende fixar aprioristicamente um qualquer tipo de conhecimento: “Even the principle of of uncertainty (and (…) a certain interpretation of undecidability) continues to operate within the problematics of representation and of the subject-object relation)” ("The Principle of Reason: The University in the Eyes of Its Pupils", Diacritics, 13, 1983, reproduzido em R. C. Davis e R. Schleifer: Contemporary Literary Criticism: Literary and Cultural Studies, 3ª ed., p.332-333). No campo literário, a indecidibilidade pode ser entendida como uma forma de resistência aos critérios de verdade ou à ideia de validade subjectiva de um juízo crítico. A pretensão de a crítica literária necessitar de um critério de verdade para ser válida poderá ser contraproducente ao facto de o dogmatismo não fazer sentido numa era pós-estruturalista dominada pela instabilidade, pela indecidibilidade, pela indeterminação, pelo inacabamento e pela disseminação. Se todo o conhecimento da realidade é simbólico, se tudo o que conhecemos faz parte de uma cadeia de signos que se distiguem de outros signos para formar um sentido, não há verdadeiramente conhecimento da realidade, mas apenas conhecimento que resulta de experiências simbólicas da realidade. Em outra parte esta indecidibilidade do conhecimento e esta disseminação do sentido é tão marcada como na literatura, que depende de jogos de palavras, de intertextualidade, de associações simbólicas e de repetições. Quanto maior for o grau de indecidibilidade de um texto maior será a abertura à desconstrução do seu sentido, mais facilmente se revelará a impossibilidade de fixar esse sentido e com mais vigor se demonstrará que um texto nunca está totalmente escrito nem totalmente vazio.