Select Page

Termo de origem grega que traduz a criação dos mitos. A prática comum da criação de mitos pode ser também designada por mitogonia. Devemos distinguir entre a simples abordagem de mitos, prática corrente na poesia e em narrativas tradicionais, por exemplo, e a verdadeira criação de mitos, porque, a rigor, só aqui há construção original de uma história fantástica. No primeiro caso, há apenas um uso poético de material já existente; no caso da mitopoese, estuda-se o problema da genealogias dos deuses. Para Oliveira Martins, a origem da presença de mitos pode equivaler à origem dos próprios mitos em si, porque resulta tanto “da observação do mundo externo, como das impressões psíquicas” (Sistema dos Mitos Religiosos, Guimarães Ed., 1986, p.31).

A mitopoese, enquanto abordagem criativa de matéria mitológica, em particular na poesia, tem tantas motivações diferentes quantos os génios artísticos que podemos determinar. Por exemplo, pode constituir uma reacção contra as sofisticações do deísmo ou do ateísmo que conduzem o poeta ao trabalho de remitificação do material da sua experiência vivencial, com o objectivo de redescobrir a fé religiosa no seu caminho singular. Assim procedeu Camões, que usou os mitos como forma de confronto com a influência crescente do poder religioso muçulmano que constituía a grande ameaça para a Península no séc.XV, para o que se exortava os cristãos a participar numa guerra santa:

 

Gregos, Tracos, Arménios, Georgianos

Bradando-vos estão que o povo bruto

Lhes obriga os caros filhos aos profanos

Preceptos do Alcorão (duro tributo)! (Os Lusíadas, VII, 13)

 

Outras respostas podem ser encontradas, como o sistema mitológico de William Blake, que funcionou como resposta ao pensamento iluminista ao recriar/reescrever o Velho Testemento, ou como a mitopoese de Yeats que procurou encontrar uma alternativa para a perda da fé cristã. J. R. R. Tolkien, no seu poema “Mythopoeia”, coloca duas personagens a discutir o problema da criação dos mitos, destacando que é um acto intemporal: “Blessed are the legend-makers with their rhyme / of things nor found within record time.”.