Select Page

Canto estacionário, próprio da tragédia grega antiga, em forma lírica, sem anapestos e troqueus, dançado depois do párodo, de acordo com as regras descritas por Aristóteles na Poética: “Temos tratado daquelas partes da tragédia, de que se deve usar como de seus elementos essenciais. Mas, segundo a extensão e as secções em que pode ser repartida, as partes da tragédia são as seguintes: prólogo, episódio, êxodo, coral – dividido, este, em párodo e estásimo. Estas partes são comuns a todas as tragédias” (1452b20ss; trad. de Eudoro de Sousa, IN-CM, Lisboa, 2ª ed., 1990).

Na representação, o estásimo corresponde à entrada do coro em cena e traz normalmente a informação ao público sobre o assunto da peça. No decorrer da tragédia, os stasima alternam com os episódios.