Select Page

Como a etimologia da palavra sugere (do grego poiêtes : “criador”, pelo latim poeta : “escritor que compõe versos”; -astro : “sufixo depreciativo”), poetastro é um termo pejorativo para designar um poeta de qualidade inferior, um versejador sem grande valor literário.

De acordo com a origem da palavra, desde a Antiguidade que se atribui à poesia um sentido de criação. Neste ponto, Platão, por exemplo, diz que o poeta é aquele que faz e cria, e a poesia, em geral, «exprime todo o acto que tem por fim fazer passar uma coisa do não-ser ao ser» (Banquete, tradução de Ângelo Ribeiro, Renascença Portuguesa, Porto, 1924, p.122). Ora, enquanto se fixam conceitos do exercício autêntico de compor versos, cria-se, paralelamente, uma terminologia para denotar o poeta medíocre, trivial e sem originalidade que se esforça na escrita. De algum modo, já Aristóteles distingue, em poesia, diferentes formas segundo a índole particular dos poetas, os de mais alto ânimo e os de mais baixas inclinações, reconhecendo, ainda, que a poesia pode resultar deficiente por incapacidade de alguns escritores (Poética, 4ª ed., tradução de Endoro de Sousa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, s.l., pp.105, 125 e 143). É igualmente conhecido o dito de Horácio de que «Os poetas medianos, esses não os admitem nem os deuses nem os homens, nem as colunas dos livreiros» (Arte Poética, tradução de R.M. Rosado Fernandes, Editorial Inquérito, Lisboa, 1984, p.111). Deste modo, o termo poetastro terá surgido possivelmente no século XVI para nomear o escritor que desvirtua o(s) conceito(s) de poesia, isto é, o mau poeta. Aparece conotado com “poetaço”, “poetinha”, “poeta de água-doce” e “pseudo-poeta”. Na literatura portuguesa, o conceito tem o seu uso, por exemplo, em Camilo de Castelo Branco: «Os poetastros, açoutados no D. Quixote, farejaram impiedade no quarteto» (O Judeu- Romance Histórico, vol.II, 3ª ed., António Maria Pereira Livraria Editora, Lisboa, 1906, parte 3, cap. XIV, p.119).

{bibliografia}

http://www.terravista.pt/mussulo/1701/poeta_ou_poetisa.htm