Select Page

O termo comunidade interpretativa diz respeito a um sistema ou contexto capaz de produzir o consenso em torno da escolha da interpretação a ser atribuída a um enunciado ou conjunto de enunciados.

A partir do conceito de comunidade interpretativa, a produção de significado se desloca tanto da esfera do autor, compreendido como o criador original (base da concepção romântica da arte) quanto da esfera do leitor ( foco tanto da estética da recepção quanto do reader’s response criticism), capaz de efetivar escolhas interpretativas, liberto de determinações externas à sua própria experiência individual.

Tal como formula Stanley Fish, se a interpretação pode ser intersubjetivamente compartilhada, isto não ocorre por haver uma estabilidade de significados inerente à textualidade ( tal como sugerem as abordagens centradas no textoestilística, new criticism, estruturalismo), mas por existirem estratégias de leitura disponíveis, passíveis de serem compartilhadas dentro de uma comunidade.

Para Fish, a forma de atividade interpretativa é determinada pela instituição literária “que autoriza apenas um número finito de estratégias interpretativas” (“What makes an interpretation acceptable”, in Is there a text in this class? The Authority of Interpretative Communities, Harvard University Press, Cambridge, Mass., 1980, p.342). Sendo assim, a atividade interpretativa é definida como um jogo, o jogo literário do qual participam indivíduos institucionalizados, dentro do campo profissional definido como o da literatura, indivíduos que compartilham regras que, embora dinâmicas, determinam o que é ou não aceitável dentro da comunidade, em um dado contexto histórico ou sócio-cultural.

Comunidade interpretativa é, portanto, aquele ponto de intersecção a partir do qual se constrói uma certa estabilidade significativa, a partir do momento em que os indivíduos que ali se agrupam compartilham regras e estratégias de leitura que emolduram a aceitabilidade interpretativa e que permitem a comunicabilidade, o intercâmbio e a coincidência de interpretações.