Select Page

Sub-género literário da ficção-cientifica, este termo cunhado por Bruce Bethke surgiu pela primeira vez em 1983 como título de uma história sua. Seguidamente, em 1984, num artigo para o Washington Post, o crítico e editor Gardner Dozois utilizou este termo para descrever a “bizarra, dura e altamente tecnológica” corrente de ficção-cientifica emergente nos anos 80. Rapidamente, este termo, tão cheio de conotações nos meios da contra-cultura da ficção-cientifica, se propagou e divulgou entre a cultura mainstream. Sendo aproveitado por inúmeros escritores, teóricos pós-modernos, navegantes da internet, bandas de música alternativa, o termo foi integrado, em toda a sua ambiguidade, no imaginário de muitos que se sentiram identificados com o mesmo: seja pelos temas presentes no sub-género literário; seja pelos submundos da pirataria informática (hackers, crackers, cypherpunks, phreakers); ou pelas promessas do regresso a uma MATRIZ, (um Metaverso, como lhe chama Neal Stephenson) ao alcance dum terminal de computador. Se bem que a própria definição do termo seja difusa, vários topos são recorrentes no imaginário da cyberpunk: simbiose homem/máquina; alteração da experiência sensorial e psíquica (mediada química, eléctrica ou mecanicamente); simulação e estimulação digital, as quais se transformam no novo Real para o novo homem tecnológico; ou lutas de sobrevivência, entre tribos e subculturas, de híbridas influências, num futuro urbano e apocalíptico.

Indiscutivelmente, um dos fulcros da cultura cyberpunk é a relação do indivíduo com o corpo. A ancestral dualidade Judaico-Cristã corpo/mente, essa inconciliável dialéctica é, aqui, extremada. Na cultura cyberpunk o corpo é “coisificado”, objectivado, tornado matéria prima de modelagem, esvaziamento, amplificação, e augmentation (barro para um golem do futuro). O cyberpunk é o sobrevivente que vagueia numa realidade hostil, artificial e rápida como um speed, e o seu corpo é a única arma, posse e território. Dentro do corpo, está mente, a mente que tem acesso à matriz ¾ a mente que pode, insubstâncial e dotada de qualidades preternaturais, fundir-se em extâse com a estática do Deus-dentro-da-máquina ¾ fundir-se, numa verdadeira metanoia digital, no cosmos anacrónico e utópico do ciberespaço, onde, finalmente, pode descartar-se do fardo da carne. Para defesa e sofisticação da performance dessa mente, o corpo é “trabalhado”, redesenhado, re-estruturado com bísturico desapego e destreza tecnológicos.

A nível profundo cada ampliação de um sentido implica uma anestesia do mesmo (Dery p.164). Este abarca mais informação, mas fundamentalmente sente menos. A amplificação artificial ¾ a penetração, o entranhamento, causado pela tecnologia ¾ é uma violência contra a qual a nível estrutural o ser (corpo-mente, no seu todo) reage, auto-insensibilizando-se. O ser humano tem de se entorpecer, anestesiar para poder ser exposto e amplificado ¾ ou então é destruído, (autores pós-modernos, como Marshall McLuhan, defendem esta visão). O corpo tem de se tornar estranho a si mesmo ¾ e passivo em relação à ansiedade da mente. O corpo, então, está disponível para ser “submetido, usado, transformado e melhorado” ( Foucault p.136).

A cultura cyberpunk é a busca desse passo mais além no processo de selecção natural, de evolução e alteração ( preconizado, por exemplo, em tempos por Marinetti, ou, actualmente, pelo artista cyberpunk Sterlac: “The body not as a subject but as an object ¾ NOT AS AN OBJECT OF DESIRING BUT AS AN OBJECT FOR DESIGNING” (Dery, p.161). O ser humano alterando o modo como sente ¾ alterando a sua percepção ¾ necessariamente é alterado no seu modo de ser. Quando o modo como a realidade percepcionada pelo homem é alterado, aquele que a percepciona também muda. O corpo é traumatizado, tornado objecto, disconectado de si mesmo e reconectado à realidade (na verdade, à máquina) por mediação tecnológica ¾ tornando-se num objecto de interface e simbiose.

Exactamente este estrangement em relação ao seu próprio corpo, é o tema base e principal problemática do personagem Case no cyber-clássico romance Neuromancer de William Gibson. Juntamente com Bruce Sterling, John Shirley, Neal Stephenson, William Gibson é um dos originais paladinos deste movimento dentro duma literatura de características mistas, onde se podem aliar o gótico, o noir, o néon e os cut-ups (tão utilizados nos romances pseudo-ficção-cientifica de Burroughs). O estilo alia uma enorme frieza emocional a uma incessante rapidez, onde a imagem é nítida, funcionando num sempre crescendo processo de sobredosagem informativa e visual. Comentando o romance Neuromancer, o Standard escreveu: “ O futuro é um pesadelo… Neuromancer, um excelente começo.”

{bibliografia}

Cavaney, G. : “Body Electric”, The Face, Nº 86, Nov. 95, p.186; Dery, M. : Escape Velocity, Cyberculture at the End of the Century, Hodder and Stoughton, London 1996; Foucault, M.: Discipline and Punishement: The Birth of Prison, Vintage, New York 1979; Gibson, W. : Monalisa Overdrive, Bantam Books, New York, 1988; Id.: Neuromancer, Harpercollins Publisher, Hammersmith, London, 1995; Stallabraf, J.: Gargantua ¾ Manufactured Mass Culture, New York, 1996; Stephenson, N.: Snow Crash, Bantam Books, New York, 1993; Brian McHale: Constructing Postmodernism (1992)